Combate à fome exige superação de lógica do mercado, diz Papa.

O Papa Francisco visitou hoje, 20, a sede da organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em Roma, onde apelou ao respeito pelos direitos dos que sofrem com a fome, superando a lógica do mercado.
“Enquanto se fala de novos direitos, o faminto está aí, na esquina da rua, e pede o reconhecimento da cidadania, ser considerado na sua condição, receber uma alimentação de base saudável. Pede-nos dignidade, não esmola”, disse o Santo Padre durante a segunda Conferência Internacional sobre Nutrição.
A visita do Papa Francisco à FAO entra para a história como parte da tradição dos pontífices em levar à Comunidade Internacional a preocupação e as ações da Igreja no combate à fome.
Francisco sustentou que a luta contra a fome e a desnutrição é dificultada pela “prioridade de mercado” que reduziu os alimentos à especulação financeira. No esforço para eliminar a fome a comunidade internacional deve rejeitar sistemas de “discriminação” que são ligados à “capacidade de acesso ao mercado dos alimentos”, enfatizou.
Nesse sentido, o Papa acrescentou que o direito à alimentação só será garantido se houver preocupação “com o sujeito real, ou seja, com a pessoa que sofre os efeitos da fome e da desnutrição”. Para o pontífice, o direito à vida e uma existência digna está relacionado com a “obrigação moral de partilhar a riqueza econômica do mundo”.
“Pessoas e povos exigem que a justiça seja colocada em prática; não apenas a justiça legal, mas também a contributiva e a distributiva”, precisou.
Perante o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, e a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, Francisco elogiou a decisão de reunir nesta conferência representantes de Estados, instituições internacionais, organizações da sociedade civil, do mundo da agricultura e do setor privado.
Nesse contexto, disse que a Igreja Católica está atenta a tudo o que se refere ao bem-estar “espiritual e material” das pessoas, em primeiro lugar das que “vivem marginalizadas e estão excluídas, para que sua segurança e dignidade sejam garantidas”.
A intervenção conclui-se com uma oração: “Peço também que a comunidade internacional saiba escutar o apelo desta Conferência e o considere uma expressão da comum consciência da humanidade: dar de comer aos famintos para salvar a vida no planeta”, finalizou.
A assembleia mundial sobre os desafios nutricionais do século XXI começou ontem e encerra nesta sexta-feira, 21. O evento conta com a presença de representantes de mais de 190 países, organismos da ONU, organizações intergovernamentais, membros da sociedade civil, fundações, empresas privadas e outros setores. Essa é a segunda conferência realizada para discutir a desnutrição, um dos maiores desafios do século XXI, que afeta países ricos e pobres. A primeira reunião mundial aconteceu em 1992.
Segundo a FAO, cerca de 2 bilhões de pessoas, aproximadamente um terço da população mundial em desenvolvimento, sofrem com a carência de alimentos.

Francisco é o quarto pontífice a visitar a organização intergovernamental. Antes dele, discursaram em reuniões mundiais Paulo VI, em 1970, João Paulo II, em 1979 e 1992, e Bento XVI, em 2009.
Informações: A12
Fonte: Agência Ecclesia e Rádio Vaticano.
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
IGREJA NA MIDIA DE COROATÁ. Imagens de tema por Maliketh. Tecnologia do Blogger.

PASSANDO

PASSANDO

POR REFORMULAÇÃO

POR REFORMULAÇÃO

AGUARDEM !!!!

AGUARDEM !!!!