Dia dos Avós: o jovem tem força, o idoso fortalece esse vigor.

Hoje celebramos o Dia dos Avós! Para nos ajudar a refletir sobre a data, relembramos a homilia de Papa Francisco na Missa dos Avós celebrada no Vaticano em 28 de setembro de 2014. Leia as palavras do Santo Padre, reflita e não se esqueça de dar um abraço nos avós!
O Evangelho que ouvimos, hoje acolhemo-lo como Evangelho do encontro entre os jovens e os idosos: um encontro cheio de alegria, de fé e de sabedoria.

Maria é jovem, muito jovem. Isabel é idosa, mas foi nela que se manifestou a misericórdia de Deus e, há seis meses, juntamente com o marido Zacarias, está à espera de um filho. Também nesta circunstância, Maria nos indica o caminho: ir ao encontro da idosa parente, permanecer com ela, certamente para a ajudar, mas inclusive e principalmente para aprender dela, que é idosa, uma sabedoria de vida.

Com uma variedade de expressões, na primeira Leitura volta a ressoar o quarto mandamento: «Honra o teu pai e a tua mãe, para que os teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor, teu Deus» (Êx 20, 12). Não há futuro para o povo sem este encontro entre as gerações, sem que os filhos recebam com reconhecimento o testemunho da vida das mãos dos próprios pais. E no contexto deste reconhecimento por aqueles que te transmitiram a vida encontra-se também o reconhecimento pelo Pai que está nos Céus.

Por vezes há gerações de jovens que, devido a complexas razões históricas e culturais, vivem de maneira mais vigorosa a necessidade de se tornarem independentes dos pais, quase de se «libertarem» da herança da geração precedente. É como um momento de adolescência rebelde. Contudo, se tal encontro não for recuperado, se não se encontrar um equilíbrio renovado e fecundo entre as gerações, derivará um grave empobrecimento para o povo, e a liberdade que predomina na sociedade será uma liberdade falsa, que praticamente sempre se transforma em autoritarismo.

É a mesma mensagem que nos transmite a exortação do apóstolo Paulo, dirigida a Timóteo e, através dele, à comunidade cristã. Jesus não aboliu a lei da família e da passagem entre as gerações, mas levou-a a cumprimento. O Senhor formou uma nova família, na qual sobre os laços de sangue prevalece a relação com Ele, o cumprimento da vontade de Deus Pai. Contudo, o amor a Jesus e ao Pai leva à realização do amor pelos pais, pelos irmãos, pelos avós, renovando assim os relacionamentos familiares com a linfa do Evangelho e do Espírito Santo.

E assim são Paulo recomenda a Timóteo, que é pastor e portanto pai da comunidade, que tenha respeito pelos idosos e pelos familiares, enquanto o exorta a fazê-lo com atitude filial: o ancião «come se fosse o teu pai» e «as mulheres idosas como mães» (cf. 1 Tm 5, 1). O chefe da comunidade não está dispensado desta vontade de Deus mas, ao contrário, a caridade de Cristo impele-o a agir com um amor maior. Como a Virgem Maria que, embora se tenha tornado a Mãe do Messias, se sente estimulada pelo amor de Deus, que nela se encarna, a ir depressa visitar a sua idosa parente.

Então, voltemos a este «ícone» repleto de alegria e de esperança, cheio de fé e de caridade. Podemos pensar que, permanecendo na casa de Isabel, a Virgem Maria terá ouvido a sua parente e o marido Zacarias rezar com as palavras do Salmo responsorial de hoje: «Sois Vós, ó meu Deus, a minha esperança. Senhor, desde a juventude Vós sois a minha confiança... Na minha velhice não me rejeiteis, ao declinar das minhas forças não me abandoneis... Quando vier a velhice e até os cabelos brancos, ó Deus, não me abandoneis, a fim de que eu anuncie à geração presente a força do vosso braço e o vosso poder à geração vindoura» (Sl 71 [70], 5.9.18).

A jovem Maria ouvia e meditava tudo no seu coração. A sabedoria de Isabel e Zacarias enriqueceu a sua jovem alma; não eram peritos em maternidade e paternidade, porque também para eles era a primeira gravidez, mas eram peritos na fé, peritos em Deus, peritos naquela esperança que vem dele: é disto que o mundo tem necessidade, em todos os tempos. Maria soube ouvir aqueles pais idosos e cheios de enlevo, valorizando a sua sabedoria, que foi preciosa para ela, no seu caminho de mulher, de esposa e de mãe.

É assim que a Virgem Maria nos indica o caminho: a vereda do encontro entre os jovens e os idosos. O futuro de um povo pressupõe, necessariamente, este encontro: os jovens infundem a força para levar o povo a caminhar, enquanto os idosos fortalecem este vigor com a memória e com a sabedoria popular.

Fonte: Santa Sé
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
IGREJA NA MIDIA DE COROATÁ. Imagens de tema por Maliketh. Tecnologia do Blogger.

PASSANDO

PASSANDO

POR REFORMULAÇÃO

POR REFORMULAÇÃO

AGUARDEM !!!!

AGUARDEM !!!!