Dom Sergio abre 54ª AG com mensagem de paz e misericórdia.

A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abriu os trabalhos da 54ª Assembleia Geral (AG) da entidade com a celebração eucarística realizada na manhã desta quarta-feira, dia 06, na basílica de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP).

“Os nossos esforços em favor da unidade da Igreja, nosso empenho pela justiça e a paz no Brasil e no mundo devem ser acompanhados de muita oração e escuta da Palavra para poder discernir os passos a serem dados e ter a força necessária para caminhar na fidelidade ao Senhor”, disse o arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, dom Sergio da Rocha, durante missa de abertura da 54ª Assembleia Geral (AG) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A missa foi presidida por dom Sergio e concelebrada pelo arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente, dom Murilo Krieger, e pelo bispo auxiliar de Brasília e secretário geral da Conferência, dom Leonardo Steiner. Da procissão de entrada participaram os presidentes das 12 Comissões Episcopais de Pastoral CNBB.

Misericórdia, justiça, unidade e paz foram as palavras de destaque na homilia do presidente da CNBB, que falou do sentido da eucaristia na vida eclesial. “A Igreja eucarística vive da misericórdia, que é fonte de paz. A Igreja misericordiosa vive da eucaristia, o alimento dos que promovem a paz. A eucaristia manifesta e alimenta a nossa comunhão com o Senhor e a comunhão entre nós”, afirmou dom Sergio.

Dom Sergio da Rocha ressaltou que a celebração, primeiro ato da AG da CNBB, “é sinal e recordação de que a eucaristia é a fonte e o sustento permanente da vida e da missão da Igreja, Igreja que é chamada a experimentar e a testemunhar a misericórdia divina, de modo especial nesse ano santo”.

No contexto de crise e de crescimento da violência e da intolerância, dom Sergio considerou que “somos chamados a vivenciar a comunhão eucarística num tempo marcado por muitas divisões e por muita violência”.

“Nós necessitamos muito de misericórdia e de justiça, de unidade e de paz. Para tanto, nosso olhar se volta para o Senhor ressuscitado em atitude de oração, suplicando-lhe os dons da unidade e da paz, como sempre fazemos ao participar da missa. É dele que nos vem a esperança, é dele que nos vem a força para caminhar e superar tantos desafios. Nele está o nosso refúgio e a nossa força como rezamos hoje com salmista”, explicou.

Misericórdia

Sobre o evangelho, que apresenta a passagem do evangelista João, dom Sergio lembrou que “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna”."O evangelho que ouvimos proclama a misericórdia de Deus, que nós somos chamados a acolher e vivenciar, de modo especial nesse ano jubilar e nesse tempo pascal”, acrescentou.

“Nós cremos em Cristo ressuscitado, por isso cremos na vitória do amor sobre a violência, no triunfo da misericórdia sobre o rancor, da graça sobre o pecado, da vida sobre a morte. Somos chamados, cada dia de novo a ser misericordiosos como o Pai, revelando seu rosto misericordioso na vida da Igreja que quer ser, sempre mais, mãe misericordiosa e casa de portas abertas”, refletiu.

Crise

Dom Sergio recordou que o tema central da Assembleia Geral da CNBB deste ano  é “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade. Sal da terra e luz do mundo”. Disse, ainda, que durante esses dias os bispos estarão atentos à atual situação do país. “Em tempos de crise, os critérios que devem nortear o nosso agir sejam sempre os critérios de Deus e não os critérios do mundo. O evangelho nos convida a aproximarmos da luz e caminhar na luz”, falou dom Sergio.


Para o arcebispo, o tempo da Páscoa convida ao acolhimento da paz, que é dom do ressuscitado. “Somos chamados a ser mensageiros da misericórdia e portadores da paz, em casa, em nossas comunidades, nas redes sociais e nas ruas. Seja nosso louvor pascal manifestado não apenas com os lábios, mas com o coração e a vida, seja acompanhado pela busca da paz, jamais cedendo à tentação da agressividade em palavras ou atos”, exortou.

“A busca da ajustiça, que conduz à paz, não se faz por meio da violência. Pessoas com diferentes posturas, especialmente nos campos da política e da religião,  não podem ser tratadas como inimigas, mas sim com o devido respeito”, disse.

“Por isso, nesse ano santo, redobremos o empenho pela vivência da misericórdia e pela promoção da justiça e da paz”, desejou dom Sergio, que também pediu as orações dos fiéis brasileiro para a 54ª AG da CNBB.

Informações: CNBB
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
IGREJA NA MIDIA DE COROATÁ. Imagens de tema por Maliketh. Tecnologia do Blogger.

PASSANDO

PASSANDO

POR REFORMULAÇÃO

POR REFORMULAÇÃO

AGUARDEM !!!!

AGUARDEM !!!!