Esta foi a resposta do Papa ao jornal El País sobre a teologia da libertação.

Na última sexta-feira, o Papa Francisco concedeu uma entrevista ao jornal espanhol El País, na qual mencionou a situação dos migrantes, a situação internacional e da realidade latino-americana, onde se desenvolveu a teologia da libertação.

No diálogo, publicado no sábado, 21 de janeiro, o jornal espanhol perguntou a Francisco: “Você acredita que, depois da tentativa fracassada da teologia da libertação, a Igreja perdeu muitas posições em benefício de outras confissões e inclusive de seitas? Por que isto aconteceu?”.

O Papa respondeu: "A teologia da libertação foi uma coisa positiva na América Latina. Foi condenada pelo Vaticano a parte que optou pela análise marxista da realidade. O Cardeal (Joseph) Ratzinger escreveu duas instruções quando era Prefeito do Dicastério da Doutrina da Fé. Uma muito clara sobre a análise marxista e a outra olhando para os aspectos positivos. A teologia da libertação teve aspectos positivos e desvios, especialmente na análise marxista da realidade”.

O Papa Francisco nunca apoiou os postulados de Gustavo Gutiérrez, sacerdote peruano conhecido como o propulsor da teologia marxista da libertação, afirmou em 2013, o padre jesuíta argentino Juan Carlos Scannone no livro ‘Francis Our Brother Our Friend’ (Francisco Nosso Irmão Nosso Amigo) (Ignatius Press, 2013), do diretor de ACI Prensa, Alejandro Bermudez.

O Pe. Scannone, um dos representantes mais conhecidos da teologia da libertação na América Latina, foi um dos professores do jovem Jorge Mario Bergoglio (Papa Francisco) durante o seu período de formação. “Na teologia da libertação há diferentes correntes e há uma que é a corrente Argentina”, explicou o Pe. Scannone.

O sacerdote recorda que “o Cardeal Quarracino (antecessor do Cardeal Bergoglio como Arcebispo de Buenos Aires) apresentou ao L’Osservatore Romano o primeiro documento da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a teologia da libertação e ele distinguiu quatro correntes, citando sem nomear um artigo que eu tinha escrito dois anos antes”.

“E há uma corrente argentina, que o mesmo Gustavo Gutiérrez diz que é uma corrente com características próprias da teologia da libertação, que nunca usou categorias do tipo marxista ou a análise marxista da sociedade, mas sem desprezar a análise social privilegia uma análise histórica cultural”, explicou.

Em seguida, o perito jesuíta disse: “Na teologia argentina da libertação não se usa a análise social marxista, mas se usa preferentemente uma análise histórico-cultural, sem desprezar o sócio-estrutural e sem ter como base a luta de classes como princípio determinante de interpretação da sociedade e da história”.

Segundo Scannone, “a linha argentina da teologia da libertação, que alguns chamam ‘teologia do povo’, ajuda a compreender a pastoral de Bergoglio como bispo; assim como muitas de suas afirmações e ensinamentos”.

Para o Padre Scannone, “há coisas que acredito que marcaram de maneira especial o Cardeal Bergoglio, sobretudo o tema da evangelização da cultura, o tema da piedade popular. Uma coisa muito de Bergoglio é falar do povo fiel. Quando saiu à sacada (de São Pedro, quando foi eleito Papa), o primeiro que fez foi pedir que o povo rezasse por ele para que Deus lhe abençoe, antes de abençoar o povo. Isso é muito dele”.

cannone acrescentou que “este tipo de teologia” sem categorias marxistas fez parte “do ambiente no qual ele exerceu a sua pastoral. De fato, a problemática da piedade popular e da evangelização da cultura, e inculturação do Evangelho, é chave nesta linha teológica”.

Informações: ACIDIGITAL 
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
IGREJA NA MIDIA DE COROATÁ. Imagens de tema por Maliketh. Tecnologia do Blogger.

PASSANDO

PASSANDO

POR REFORMULAÇÃO

POR REFORMULAÇÃO

AGUARDEM !!!!

AGUARDEM !!!!